Comércio da China com a Rússia não compensará sanções, dizem EUA – Emprego e Concurso TOP

Comércio da China com a Rússia não compensará sanções, dizem EUA

Comércio da China com a Rússia não compensará sanções, dizem EUA

Os vice-primeiros-ministros da Rússia, Yuri Trutnev, Tatyana Golikova, Andrei Belousov, Alexander Novak e Dmitry Chernyshenko assinam documentos conjuntos após uma videoconferência entre o primeiro-ministro Mikhail Mishustin e o primeiro-ministro chinês Li Keqiang na Casa do Governo.

Dmitry Astakhov | Tass | Imagens Getty

Continua após a publicidade..

PEQUIM – O comércio da China com a Rússia não é suficiente para compensar o impacto das sanções dos EUA e da Europa sobre Moscou, segundo a Casa Branca.

Nas horas após a Rússia ter invadido a Ucrânia na quinta-feira, os EUA, o Reino Unido e a União Europeia anunciaram novas sanções destinadas a isolar Moscou da economia global. As medidas abrangentes não incluíam restrições às compras de petróleo e gás russos – um importante impulsionador da economia local.

Em Pequim, o Ministério das Relações Exteriores da China disse na quinta-feira que o comércio do país com a Rússia e a Ucrânia permanecerá “normal” e se recusou a chamar o ataque de “invasão”. Enquanto isso, a agência alfandegária aprovou as importações de trigo da Rússia.

A participação da China e da Rússia na economia global é muito menor do que a dos países do Grupo dos Sete – que inclui os EUA e a Alemanha. Isso significa que a China “não pode cobrir” o impacto das sanções, disse o secretário de imprensa dos EUA, Jen Psaki, a repórteres na quinta-feira em Washington.

A China respondeu por 17,3% do PIB global em 2020, contra 1,7% da Rússia e 45,8% do G-7, segundo dados do Banco Mundial.

A China é o maior parceiro comercial da Rússia e da Ucrânia. Ambos os países fazem parte da Iniciativa do Cinturão e Rota – um plano de desenvolvimento de infraestrutura regional amplamente visto como o esforço de Pequim para aumentar a influência global.

O comércio entre a China e a Rússia atingiu um recorde alto de US$ 146,9 bilhões em 2021, um aumento de 35,8% ano a ano, De acordo com a agência alfandegária da China. As importações da China da Rússia excederam as exportações em mais de US$ 10 bilhões.

Dos níveis atuais de importações e exportações, o comércio precisaria crescer mais 37% para atingir a meta de Moscou e Pequim de US$ 200 bilhões até 2024.

O comércio da China com a Ucrânia aumentou 29,7% no ano passado, para US$ 19,31 bilhões, também um recorde, e se dividiu de maneira bastante equilibrada entre importações e exportações, segundo dados alfandegários.

“China e Rússia são parceiros estratégicos abrangentes. China e Ucrânia são parceiros amigos”, disse o ministro das Relações Exteriores Hua Chunying na quinta-feira em mandarim, de acordo com uma tradução da CNBC.

“Assim, a China conduzirá a cooperação comercial normal, com base na [China’s] Cinco Princípios da Coexistência Pacífica [for international relations] e a base do relacionamento amistoso com os dois países”, disse ela. “Isso inclui, claro, a cooperação em energia”.

Escala do impacto econômico ainda incerta

Pouco menos de dois terços das importações chinesas da Rússia foram produtos energéticos em 2021, de acordo com dados alfandegários chineses. A Rússia é a maior fonte de eletricidade da China e a segunda maior fonte de petróleo bruto, disse a agência.

Leia mais sobre a China da CNBC Pro

“O levantamento das restrições da China às importações russas de trigo e cevada visa claramente compensar o impacto das sanções, mas resta saber se isso será principalmente um gesto simbólico ou se terá um impacto econômico significativo”, disse Stephen Olson, pesquisador da Hinrich Foundation, uma organização sem fins lucrativos focada em questões comerciais.

“A capacidade da China de compensar o impacto das sanções ocidentais será determinada pela escala e escopo das sanções finalmente acordadas pelos EUA e seus parceiros”, disse Olson. “Neste momento, o Ocidente ainda não colocou todas as suas cartas na mesa, deixando em aberto a opção de apertar os parafusos depois, se necessário.”

O rublo russo caiu para mínimos recordes em relação ao dólar americano na quinta-feira, quando a invasão começou.

As sanções ocidentais à Rússia não chegaram a cortar o Kremlin da SWIFT, a rede internacional de pagamentos. A partir de janeiro, o O yuan chinês foi a quarta moeda mais usada para pagamentos globais, acima do sexto lugar há dois anos, de acordo com a SWIFT.

Hua, da China, criticou na quinta-feira os EUA por fornecerem assistência militar à Ucrânia e disse que a Rússia não precisa de tal apoio de Pequim ou de outros.

Os laços entre o presidente russo Vladimir Putin e o presidente chinês Xi Jinping se fortaleceram no início deste mês com uma reunião de alto nível dos líderes em Pequim, pouco antes dos Jogos Olímpicos de Inverno na cidade.

Em uma leitura oficial, o lado chinês disse que os dois países precisam “fortalecer sua parceria estratégica em energia” e “avançar a cooperação em inovação científica e tecnológica”.

No mesmo dia, os gigantes de energia russos Gazprom e Rosneft assinaram acordos com a China National Petroleum Corporation para fornecer petróleo e gás natural à China.

“Enquanto a China continuar a implementar seu relacionamento comercial, essas medidas já serão muito úteis para a Rússia”, disse Tong Zhao, membro sênior do programa de política nuclear do Carnegie Endowment for International Peace, com sede em Pequim.

Zhao, que enfatizou que não é um especialista em questões econômicas, disse que se a China tomar medidas adicionais para apoiar a Rússia, “é provável que faça essas medidas de maneira muito discreta, a fim de mitigar as provocações vistas de europeus e de outros países”. países.”

VER MATÉRIA ORIGINAL

Ismael Inacio