Trabalho inteligente com a emergência de saúde – Emprego e Concurso TOP

Trabalho inteligente com a emergência de saúde

Trabalho inteligente com a emergência de saúde

O Smart Working pretende mudar o antigo modelo de trabalho, deslocando o trabalhador de uma posição fixa alcançada após ter carimbado o cartão para um tipo de trabalho mais flexível, mais adequado à nova forma de entender o trabalho. E não se trata apenas de querer conciliar vida e tempo de trabalho. O Smart Working gira em torno do conceito de produtividade: deixando o funcionário livre para organizar espaços, tempos e locais de trabalho, ele se torna mais responsável pelo seu trabalho e metas de produtividade podem ser definidas ser alcançado em total autonomia.

Conciliar, inovar e competir. Estes são os três objetivos aparentemente antitéticos do trabalho inteligente que se configura como uma nova abordagem à organização da empresa, em que as necessidades individuais do trabalhador são equilibradas, de forma complementar, com as da empresa.

O trabalho inteligente implica um novo modelo de organização do trabalho, no qual estes três elementos são fundamentais:
Recursos Humanos. É necessária uma nova perspectiva por parte do pessoal que deve estar preparado para rever o seu papel com vista à flexibilidade e disposto a criar maiores sinergias com a gestão.

Tecnologia. Os métodos de trabalho são “ágeis” e tecnologicamente avançados e o acesso aos dados da empresa deve ser possível remotamente, permitindo formas de trabalho mais eficientes e altamente personalizadas.

Continua após a publicidade..

Monitoramento constante. Uma análise dos resultados do trabalho é essencial para avaliar a eficiência do pessoal após a introdução do novo modelo organizacional de trabalho.

Agora, com a emergência de saúde em vigor, o trabalho tornou-se flexível, com trabalhadores fazendo seus negócios remotamente e funcionários fazendo algumas de suas tarefas em casa, em vez de ficar no escritório. Nos últimos anos, muito se falou sobre as vantagens do trabalho inteligente, incluindo melhor produtividade, maior comprometimento e bem-estar dos funcionários. No entanto, nem todos os gerentes concordam com essa visão, de fato, alguns consideram o trabalho ágil até mesmo um ‘risco’ para o negócio.

A ex-CEO do Yahoo, Marissa Mayer, por exemplo, ao ingressar na empresa, declarou que trabalhar remotamente certamente pode ser uma vantagem para o indivíduo, mas nem sempre é tão bom para a empresa. Os melhores insights, de fato, derivam de conhecer outras pessoas, de reuniões e brainstorming com seus colaboradores, isso só é possível se todos estiverem presentes na empresa. O verdadeiro trabalho em equipe, disseram alguns representantes da gigante de tecnologia IBM, é baseado na colaboração de pessoas que trabalham lado a lado todos os dias e trocam ideias ao vivo. Isso significa, portanto, que é necessário dar um passo atrás das últimas tendências em trabalho inteligente? O trabalho ágil pode realmente ser uma desvantagem para as empresas? Por fim, como conciliar a crescente exigência de maior flexibilidade por parte dos colaboradores com as necessidades da gestão? Os especialistas da Hays, empresa líder em recrutamento especializado, tentaram responder a essas perguntas.

“O trabalho inteligente, se ativado corretamente, pode representar um recurso precioso – dizem os especialistas da Hays – para as empresas, indispensável para conciliar as diferentes necessidades dos profissionais e garantir um alto grau de flexibilidade corporativa, essencial para o sucesso em um ambiente dinâmico e em rápida mudança como hoje. É preciso trabalhar principalmente a cultura corporativa, fomentando um ambiente colaborativo e positivo. Empregador e funcionários devem ter um objetivo comum e devem compartilhar como alcançá-lo. Dessa forma, será possível trabalhar em equipe e alcançar excelentes resultados mesmo não estando fisicamente no mesmo lugar”.

Para funcionar da melhor forma, o trabalho inteligente deve ser o mais estruturado possível, mas não em termos de controle de pessoas, mas em termos de organização. Muitas vezes, de fato, o trabalho ágil é concedido apenas a alguns recursos com necessidades particulares de flexibilidade ou é reservado para gerentes e gerentes intermediários ou, ainda, é prerrogativa apenas de consultores freelance. Em vez disso, deve ser o resultado de uma política real da empresa que incentive os funcionários a usá-la de maneira informada. Quanto mais recursos estiverem livres para usar o trabalho inteligente, mais eles poderão se organizar com sua equipe para concluir o trabalho mesmo virtualmente.

Além disso, o tempo gasto pelos colaboradores no mesmo escritório não deve ser avaliado em termos quantitativos, mas qualitativos. Uma equipe de trabalho deve se reunir porque realmente precisa e não porque é ‘forçada’ a compartilhar seu espaço de trabalho diariamente. Algumas atividades puramente operacionais, por exemplo, dispensam a presença de colegas e devem poder ser realizadas onde e quando o profissional desejar. Desta forma, o tempo dedicado às reuniões de equipa e estar com os colegas torna-se tempo de ‘qualidade’ porque é reservado à parte mais importante do trabalho, nomeadamente a esfera criativa, inovação e, sobretudo, estratégia.

Para tal, é claro que é necessário um maior esforço por parte dos gestores e executivos, sublinham os especialistas, que devem de imediato deixar claros os objetivos a atingir e partilhar os valores corporativos com todos os colaboradores. A cultura organizacional é o elemento-chave para começar se você deseja implementar com sucesso o trabalho ágil. Um ambiente de trabalho rígido e altamente hierárquico certamente é menos parecido com o conceito de autonomia e, portanto, mais exposto a quaisquer armadilhas do trabalho inteligente. Uma cultura corporativa baseada na confiança mútua, por outro lado, é essencial para dar a todos a flexibilidade de que necessitam, mantendo a produtividade elevada e alcançando excelentes resultados empresariais.

A lei do Smart Working exige que empregadores e empregados assinem um acordo individual, tanto por tempo determinado quanto por tempo indeterminado, para regular o novo tipo de trabalho.

Este acordo deve definir:

as formas de exercício do poder de gestão do empregador;

as ferramentas tecnológicas utilizadas pelo trabalhador;

tempos de descanso;

o exercício do poder de controle do empregador, dentro dos limites da regulamentação do controle remoto;

conduta relacionada ao trabalho fora do escritório que dê origem a sanções disciplinares.

A espinha dorsal do Smart Working deve ser uma relação de confiança entre o empregador e o empregado que, sentindo-se mais livre para organizar locais e horários de trabalho, pode garantir maior produtividade à empresa. Desta forma, todos ganham: os funcionários ganham tempo, flexibilidade e energia desperdiçada, por exemplo, para ir e voltar do local de trabalho; o empregador ganha em despesas com a gestão do escritório que está perdendo a centralidade e em produtividade dos funcionários.

Ismael Inacio